A polícia cumpre com o caso de seu pai morto, e interessou-se por os 5 e os filhos dela, Só Boas Notícias

Flavianna Bezerra - Foto: reprodução / RNTVFlavianna Quevedo – Foto: reprodução / RNTV

É uma história incrível, a compaixão, a empatia e o amor que lhe aconteceu no estado do Rio Grande do Norte, após a tragédia. Um agente de polícia adotou o 5 de crianças, que tinha acabado de perder o seu pai, a ele.

Flavianna Becerra, de 44 anos de idade, tem-se de atender a aparição do Natal, e se sensibilizou para ver as crianças chorando ao lado do túmulo.

Além disso, a situação, a polícia descobriu que tinha perdido sua mãe há 3 anos, estavam recolhendo o lixo e morrem de fome. Flavianna em conta que é o caso mais difícil de sua carreira.

“Tinha matado um senhor que tinha 6 crianças, perto do corpo da jovem, os filhos desse senhor, e que já havia perdido a sua mãe, tinha 3 anos de idade e se encontravam sozinhos. As pessoas descobriram que trabalham catando lixo para reciclagem. Se comoveu muito, a mim e a toda a equipa… já que não tinham a textura da comida de casa, eles estavam morrendo de fome, que viviam pedindo nas ruas”, disse o oficial de polícia da televisão RNTV.

Flavianna, disse em uma entrevista com o SóNotíciaBoa, que é solteira e que não tenha pensado em ter filhos, nem para adotar. Defendeu a adoção da tarde.

A adoção da

A polícia explicou que o SNB, que no final do ano passado, ele conseguiu a guarda provisória dos 5 aos 6 irmãos. E agora, à espera da conclusão do processo de custódia para aceder ao pedido de adoção.

Portanto, antes que as crianças se fossem a um acordo, Flavianna deu um lar a uma delas.

“O que o estado teve que prover para eles, era um refúgio. Não tinha a mínima condição de que isso aconteça, e decidi pedir a guarda dos 6. Dei-Me conta de que, na realidade, são os meus filhos. Não tem que deixá-los ir a qualquer lugar”, disse.

A adoção de fabricação

Um dos meninos na conta de que os irmãos não sabiam ler e escrever, e já estão aprendendo.

Por outro lado, com mais de 13 anos de idade, carrega um trauma difícil de passar por alto, mas que hoje em dia tem um sonho.

“Não, não, é muito mais fácil do que no passado, nas minhas costas, mas eu tento e não me lembro muito bem. Eu não me vejo no futuro, mais do que em minha própria casa, no trabalho, tendo a minha família”, disse.

“Eles estão na superação dos traumas, praticamente todo o problema, em toda dificuldade, e se esforçam ao máximo. Práticos de mim, é um exemplo de superação no dia a dia”, disse Flavianna.

Se as crianças são o exemplo da mãe.

Agora, as crianças se fazem planos para o futuro, e que se inspira na figura da mãe que se encontraram.

“Eu quero ser um oficial de polícia é igual ao da minha mãe”, disse uma das filhas adotadas.

“Quero trabalhar no mesmo posto de trabalho, de mainha, ser um agente de polícia”, disse a outra.

Flavianna, e por parte das crianças da Foto: reprodução RNTV

Com informações do RNTV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *