A vacina contra a covid do instituto Butantan, você pode estar pronto em outubro, Somente Boas Notícias

Doses pra teste da coronavac Foto: DivulgaçãoA dose para a prova da coronavac Foto: Divulgação

O diretor do Instituto Butantan de São Paulo, admitiu a possibilidade de que a vacina Coronavac, a vacina foi desenvolvida em colaboração com o laboratório, o chinês, o que deve estar pronta e, à registrada em outubro.

Dimas Cavernas assegurou que o processo de produção já está em andamento.

“É provável que tenhamos [o papel], a partir de agora, em outubro deste ano. No processo de preparação para a formulação e embalagem que já foi iniciado. Em Todos os processos de controle de qualidade e validação das que já foram iniciados.

A grande questão é se será registrada e aprovada pelo estudo da clínica, e pode ser usado.

Sou uma pessoa muito otimista. Eu acho que, em um prazo de tempo razoável seria a de janeiro de 2021, dado que o rendimento que até o momento”, afirmou o Poeta, na audiência pública virtual da Câmara dos Deputados, realizada na semana passada para debater sobre o desenvolvimento do imunizante.

A eficácia de

A delegação também se referiu aos questionamentos sobre a confiabilidade da vacina, desenvolvida na China, no laboratório de Sinovac Biotech.

“A gente tem que fazer o que nosso telefone da Apple é o fato de que, na China, são fabricados os outros produtos industriais, incluindo os das grandes farmacêuticas que têm os grandes laboratórios, e se têm feito grandes investimentos na China.

Na república popular da China é um país que conta com um investimento de um momento muito bom o dia de hoje na ciência. É uma ciência que influenciou em qualquer outro país do mundo, e, muitas vezes, em termos de volume, e até a parte superior.

Não há nenhuma razão para descaracterizar ou ignorar uma dose, pelo fato de que ela tenha sido desenvolvido inicialmente na China”, disse o diretor do centro.

O Registro

De acordo com o gerente-geral da divisão de Medicamentos e Produtos Biológicos do Organismo, Gustavo Mendes, que também participou no debate, apesar da flexibilidade que tem havido na resolução que normatiza o registro de medicamentos e as vacinas que são utilizados na luta contra a pandemia do novo coronavírus, a comprovação da eficiência e a segurança são essenciais neste processo.

Entre outras coisas, para a concessão do registro, o Organismo tem que saber, por exemplo, a vacina é segura, já que, pela quantidade de tempo que tem a sua eficácia, e se é necessária uma dose de reforço.

E é, precisamente, a pergunta que será respondida na fase 3 de testes em curso, no Brasil de hoje em dia.

Em junho, o instituto Butantan, anunciou uma parceria com a farmacopeia chinesa, Sinovac, que consiste na realização de um estudo com cerca de 9.000 voluntários, assim como a transferência de tecnologia para a produção do imunizante no Instituto.

A aplicação das doses de voluntários que se iniciou no mês de julho. No total, a pesquisa que está sendo realizada em cinco dos estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro, bem como no Distrito Federal.

Com os dados da Consulta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *