A vacina da universidade de Oxford contra covid que já chegou a Portugal: o primeiro lote de Apenas Boas Notícias

Foto: VOAFoto: as MOSCAS

Em Portugal, o 1 lote da vacina da Universidade de Oxford, contra a covid-19, que se colocará à prova os 2 mil pessoas no país.

As doses a serem aplicados nas próximas semanas, em testes no Rio de Janeiro e São Paulo, brasil, de acordo com o SóNotíciaBoa advoga por aqui.

Segundo um dos investigadores e do pessoal a cargo dos empregadores, de Antonio Carlos Xavier, do Instituto D’Or de Pesquisa e de Educação, da vacinação, já que se encontra no Brasil, encontra-se que tem temperaturas, até que se pôs em marcha o estudo.

No Brasil, que é o primeiro do Reino unido, que vai colocar à prova a eficiência desta campanha de imunização contra o vírus da Sars-Cov-2.

“A vacina está congelado, já que está chegando o povo a se concretizar. A Parte que já chegou e está na congelamento, de onde vamos tirar, de forma progressiva, a necessidade e a demanda”, disse o pesquisador no grupo em que se avaliará a vacina ChAdOx1 no Rio de Janeiro, brasil.

A prova foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa), com o apoio do Ministério de Saúde pública.

No rio de Janeiro

Os testes com milhares de voluntários que se realizam na Rede D’Or cidade de buenos aires, Rio de Janeiro, brasil, por um valor de Us$ 5 milhões, custeados pela Rede e que, sob a coordenação do Instituto De ouro da Investigação e da Educação (live communications ser).

O pesquisador explicou que a seleção dos voluntários da pesquisa deve chegar até o último fim-de-semana do mês de junho.

Segundo ele, os selecionados serão submetidos a testes para verificar que não foram infectadas pelo Covid-19, para poder seguir em frente com o experimento.

“Em primeiro lugar, temos que seguir as normas de segurança”, disse o especialista, que espera receber um grande grupo de voluntários que estejam interessados em participar da pesquisa. Neste momento, os profissionais de saúde que estão em maior contato com os pacientes infectados que têm a máxima prioridade para as provas.

A regra é a mesma para os dois centros de experimentação, tanto no Rio como em São Paulo, brasil, podem inscrever-se como voluntários para os profissionais de saúde que trabalham na vanguarda da luta contra a Covid-19, além da de adultos entre as idades de 18 e 55 anos de idade, que também trabalham em ambientes de alto risco de exposição ao vírus.

São Paulo

A universidade de são paulo afirmou através de um comunicado de imprensa, que os motoristas das ambulâncias, seguranças que trabalham em hospitais e os agentes do serviço de limpeza dos hospitais, que também poderão se inscrever.

No entanto, a entidade explicou que ainda não se iniciou o processo de seleção de pessoal.

“A previsão é de que, nos procedimentos e na Argentina começam também em junho”, disse ele em um comunicado.

Os voluntários devem estar acompanhados por sua equipe ao longo de um ano.

Neste período serão realizadas em cinco ocasiões, o centro de investigação onde se vão passar as consultas, que terão o sangue recolhe e analisa os possíveis efeitos secundários.

Depois de um ano, são de eficácia comprovada, a partir de que o número de infectados e a segurança da imunização.

Em o processo, de acordo com o pesquisador, é mais seguro, já que a administração da vacina é usada apenas uma parte da proteína que recobre o material genético do vírus, e não o vírus em si mesmo, e, portanto, não se corre o risco de duplicar o Sars-Cov-2 em pacientes.

O Placebo

Para um estudo é válido, Xavier explicou que há uma série de protocolos e regras que se devem ter em conta por parte de todos os centros de pesquisa e desenvolvimento. Entre eles encontra-se o uso de um placebo, em parte, aos voluntários, o que significa que nem todo mundo recebe, em um primeiro momento, a dose da vacina contra a Covid-19.

“Os dois mil participantes, dos 500 que recebem a vacina contra ChAdOx1 500 recebem a administração da vacina para a meningite”, disse o pesquisador. “Isso porque este é um estudo muito importante e precisa de um alto conteúdo ético. Ao final da prova, os 500 que receberam a vacina para as crianças recebem a vacina contra a Covid-19 no caso de que tenha sido efetiva, já que a gente pensa que vai ser assim.”

No Rio de Janeiro, brasil, para os voluntários que fazem parte do público-alvo da pesquisa se deve procurar na live communications ser e fazer perguntas sobre como participar do experimento. Em São Paulo, brasil, a seleção está a cargo de Criar, da universidade de são paulo.

O Reino Unido

Na prévia da vacina , desenvolvida pela Universidade de Oxford, é estar pronto até o final deste ano.

Os testes demonstraram a proteção de um estudo pequeno, com seis dos macacos, dos resultados que levaram ao início de testes em seres humanos, no mês de abril. A administração da vacina no Reino Unido, é obtido a partir de uma versão mais fraca de adenovírus, que causa o resfriado nos chimpanzés, ele é adicionado ao material genético é utilizado para produzir a proteína da Espiga do SARS-Cov-2 com relação à criação de anticorpos.

A administração da vacina e que já está sendo aplicada em 10 mil voluntários em todo o Reino Unido.

A dificuldade para demonstrar a possibilidade de sua eficácia reside no fato de que os cientistas baseiam-se na continuidade da circulação do vírus na população, para que os voluntários estejam expostos a um coronavírus Sars-Cov-2.

A empresa Não assinou com os estados UNIDOS e o Reino Unido para o cuidado da produção em escala mundial.

O ceo da farmacêutica”, disse à rede britânica BBC, o domingo (31), pelo que os cidadãos possam ter acesso aos mais de 100 milhões de doses da vacina, já que no mês de setembro.

Com informações da a-vacina-de-oxford-ja-chegou-ao-brasil-saiba-quem-pode-ser-voluntario-e-como-sera-o-teste-contra-a-covid-19.ghtml”>G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *