Chega ao mercado o tecido é capaz de eliminar Covid em menos de 2 minutos, Só Boas Notícias

Substância aplicada ao tecido na produção - Foto: Marlon Tavoni/EPTVSubstância que se aplica no tecido da indústria da Fotografia: I Tavoni/EPTV

Pelo menos cinco das empresas que já se encontram com que o tecido é capaz de eliminar Covid-de 19 a 2 minutos a pé. a tecnologia foi desenvolvida por pesquisadores da UFSCar, em São Carlos, no interior do estado de São Paulo, que se mostra no mês passado, aqui, no SóNoticiaBoa.

A tela tem as nanopartículas de prata, e o fumo de sílica – uma e mil vezes menores que um grão de areia, e que já está sendo usado para a fabricação de peças de vestuário, e, em particular, das túnicas para os profissionais de saúde.

A tecnologia foi desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em parceria com a empresa de tecnologia da Nanox, com o apoio da Fapesp (Fundação de amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, no brasil.

“Este é um composto, matou-se em 99,9% dos coronavírus, e com a grande vantagem deste produto é que tem uma duração de dois anos, que pode suportar a pressão, e pode suportar temperaturas”, explicou o pesquisador e professor do Instituto de Química da UFSCar, Elson e Longo prazo.

O diretor-geral de tecnologia da Nanox, Gustavo Sánchez, disse que este composto produz uma reação química que ocorre em um tipo de peróxido de hidrogênio, e que é capaz de eliminar o vírus.

“Com algumas das tecnologias que podem reduzir com o tempo, a poluição e a contaminação cruzada, e que, em muitas ocasiões, as pessoas se contagia ao tocar uma superfície, e a levar a mão aos olhos e a boca”, disse.

As provas

Para colocar à prova a eficiência da tecnologia, também foi analisada por pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), pelo que se separaram as amostras de tecido com nanopartículas de prata, e o fumo de sílica nos tubos que continham grandes quantidades de vírus.

Ao final do estudo, os pesquisadores concluíram que, nas amostras dos tecidos das nanopartículas foram colocados em 99,9% de todas as cópias do novo coronavírus, que estão presentes nas células que foram inativadas, depois dos dois aos cinco minutos de contato.

O material, apesar de ter passado por um teste para avaliar o potencial de liberdade, fotoirritante e sensível.

“Trata-Se de um método completamente novo para a literatura, para que seja eficaz para a eliminação das bactérias, os fungos e os vírus. De certo modo, trata-se de uma tecnologia simples, que se move através da oxidação”, explicou a Longo prazo.

A lavagem de

Os pesquisadores ainda estão estudando o tempo de duração do efeito anti viral da tela, já que, no caso de que a ação antibacteriana e antifúngica da propriedade, que dura cerca de 30 lavagens.

“O material que se apresenta nesta propriedade bactericida, mesmo após 30 lavagens, é provável que mantém a atividade antiviral no tempo”, disse o diretor da Nanox, Gustavo Sánchez.

O longa também foi informado de que a pesquisa deve continuar, em colaboração com as instituições, em França e em Espanha, para pôr à prova a batalha da ibm.

As vendas

O tecido do trabalho dos pesquisadores que se está usando, pelo menos, cinco das empresas do interior do estado de São Paulo, e a proteção e barato contra os vírus.

O custo de produção de um tecido especial, para um consumo médio é de apenas 5% de aumento.

Uma das empresas que estão trabalhando com a tecnologia que se Ebraz, em Chiapas; Saltorelli o setor Têxtil, nos estados unidos; um PROGRAMA de Têxtil de Nova Odessa; Golfinho, na região metropolitana, e de Marco Polo Têxtil em Lleida.

Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *