Começou a época das estrelas cadentes: nascer iluminada, Só Boas Notícias

Estrela cadente - Foto: PixabayUma estrela cadente – Foto: Pixabay

Conta com um espetáculo no céu, para os que se cansar de estar em casa, desta pandemia. A chuva de estrelas cadentes, mais conhecida como Perseidas, que é de caráter anual, que já começou.

E se o céu está fechado em que se encontra, que não é um problema, já que o fenômeno se estende até o dia 24 de agosto, e em toda a manhã.

“Temos que ir com a idéia de que, no melhor dos casos, você vai ver dois dos impactos de meteoritos em todo momento”, disse David Galadí, um astrônomo no Observatório de Calar Alto, o Centro Astronômico Hispano-Alemão e inglês).

E este ano, dão a ver a chuva de estrelas cadentes, de uma forma mais clara, porque a lua está em quarto minguante, e que não se tanto como tinha acontecido no ano de 2019, quando, nas noites de lua cheia ofuscou a beleza de Perseidas.

Horário

Se você está em uma área com pouca luz artificial, que se encontra a melhor obra.

O melhor momento para ver os riscos e brilhantes, cruzando rapidamente o céu, é a partir das 3 da manhã, quando a luz da lua não é tão forte.

O fenômeno que vai passar na direção da constelação de aquário. Para não perder tempo procurando no lugar errado, o truque consiste em baixar um aplicativo em seu celular, que se localiza na constelação de Aquário, no céu.

O fenômeno das

Esses detalhes são os produzidos pelos pequenos meteoritos (partículas com tamanho inferior ao de um grão de areia que entra na atmosfera de mais de 210.000 quilómetros por hora.

Este fenômeno se deve a que a Terra cruza a cada ano, os restos da cauda de um cometa, chamado 109P/Swift-Tuttle, que completa uma órbita ao redor do Sol uma vez a cada 133 anos de idade, aproximadamente.

Quando se aproxima do Sol, o cometa é aquecido, emite jatos de gás e as partículas sólidas que terminam em nosso ambiente.

A velocidade a que o choque com a atmosfera é tão forte, que a temperatura das partículas aumenta até nos mais de 5.000 graus Centígrados, em uma fração de segundo, pelo que se desintegram emitindo uma luz. Isso ocorre entre os 100 e um máximo de 80 km sobre o nível do solo”, explica José Maria Madiedo, um especialista na matéria, e o pesquisador do Instituto Astrofísico de Andaluzia (IAA-CSIC).

E você pode estar tranquilo. Os restos que não se aproximam às de outros planetas, por isso, nada de prejudicial que se pode depreender das estrelas cadentes.

A Pandemia

O pesquisador da Galadí conta de que a observação do céu, é um remédio indispensável nestes tempos em que a pandemia.

Diz-Se que para apreciar a chuva de meteoritos que se trata de uma oportunidade, acessível e acessível, para voltar a recuperar a sensação de que o nexo de união entre a vida e o universal.

“É importante recuperar o contato com a natureza e, mais ainda, se a combinamos com o fomento da cultura científica”..

Neste ano, o destaque do espetáculo, aqui no hemisfério sul, que será na noite de 12 para 13 de agosto.

Com informações da ElPaís e a História

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *