Na itália, a Alemanha, a França, a itália e os países baixos, vão receber a vacina da universidade de Oxford: de acordo, Só Boas Notícias

Foto: Dado Ruvic/ReutersFoto: Dado Ruvic/Reuters

É um acordo fechado neste sábado, 13, será feito na Itália, Alemanha, França, itália e os países baixos, também, para que recebam a vacina de Oxford, contra a covid-19.

O acordo foi assinado pela farmacêutica britânica AstraZeneca para dar a dose no final do ano

O contrato para a produção e a entrega de 400 milhões de doses da vacina. A empresa se comprometeu a fornecer a dose sem margem de lucro, durante a pandemia, e acrescentou que você está procurando maneiras de expandir a produção de uma vacina.

“Graças à nossa cadeia de fornecimento e pronta para iniciar a produção na Europa e esperamos que em breve se tornará a administração da vacina está disponível em uma ampla e rápida”, disse o presidente-executivo da empresa, Pascal Soriot, em um comunicado de imprensa.

Na fase de testes da vacina que já está avançada e deve terminar o outono no hemisfério norte”, disse o ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza, em uma publicação no Facebook.

Não é fechado acordos de produção em todo o mundo para começar a fazer os 2 mil milhões de doses da vacina.

Entre os participantes encontram-se dois projectos financiados por Bill Gates um acordo de US$ 1,2 bilhão, com o que o governo dos Estados Unidos da américa.

“Em muitos países de todo o mundo já têm a certeza de que as vacinas na Europa, ainda não se tinha]. A ação rápida e coordenada de um grupo de países, avalia-se a todos os cidadãos desta crise”, afirmou o ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn.

Espanha

O fato de ser o primeiro de seu país no teste da vacina da universidade de Oxford contra a covid-19, o que pode fazer com que a Argentina tenha uma prioridade para o uso de doses, o que a vacinação foi aprovado.

Com a participação do nosso país em primeiro lugar no Reino Unido da pesquisa da vacina, que enfrenta a Argentina como um “grande candidato” para seu uso, diz Soraya Smaili, diretora da universidade de são paulo, da Universidade Federal de São Paulo, da arquidiocese de guadalajara durante o mês.

A universidade de são paulo vai participar na terceira fase da pesquisa da vacina em inglês e agora no mês de junho. As provas que serão realizadas, com milhares de voluntários que vivem em São Paulo, e que intervêm nas atividades da exposição ao vírus.

Com informações da Reuters e da R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *