O estado do Ceará, cria-se uma barraca para evitar a contaminação das operações: covid, Só Boas Notícias

Covid-box - Foto: Divulgação/HUWCCovid da caixa – Foto: Divulgação/HUWC

A proteção dos profissionais de saúde, nos tempos da covid. Foi criado no estado do Ceará, uma “barraca”, capaz de acabar com as gotas e os gases contaminados durante as operações aéreas.

A criação da brasileira teve que aparece nas revistas científicas internacionais, como o Auris Nasus da laringe, e ScienceDirect. É uma idéia que pode ajudar os pesquisadores e os profissionais da saúde frente à epidemia no mundo da música.

A chamada da Covid da Caixa, que foi desenvolvido por uma equipe multidisciplinar do Hospital universitário Walter Cantídio (HUWC).

Na loja de campanha utilizada desde o mês de março, e de forma experimental, no discurso dos pacientes que testaram positivo para a Covid-19, e também em pessoas com a doença.

Como

O Covid a Caixa conta com um quadro de aço inoxidável, esterilizável, que é colocado sobre o paciente, que é revestido com uma almofada de plástico descartável, de uma gramagem superior (90 g/m2), que também é … leia mais

A explicação é que os cirurgiões de cabeça e pescoço, o Céu studart, e Wellington Alves, e a enfermeira Maria de Jorge, o chefe do centro cirúrgico e Sala de Recuperação.

A loja dispõe de furos para permitir que as operações se realizem.

“O equipamento da forma de uma caixa transparente, … leia mais através das aberturas nas laterais que levam a cabo os próprios médicos, é possível que o acesso ao campo cirúrgico. Desta forma, tanto a a como a segurança estão protegidos”, disse o médico cirurgião Carlos studart o DiárioDoNordeste.

O baixo custo de

O tratamento com André Alencar, diz que outro dos pontos positivos da Covid da Caixa é a da viabilidade econômica de um protótipo, o qual pode ser copiado em outros hospitais públicos e privados.

No HUWC da produção, que conta com o apoio de uma empresa que não é de carga, para a construção das peças de ferro e aço.

Já que o plástico que são comprados por HUWC e que tem um preço muito baixo.

O médico conta que você está procurando a colaboração com a indústria para a produção em grande escala para ajudar a outros estabelecimentos de saúde no Estado.

“O nosso desejo é que a idéia que se use em países em vias de desenvolvimento. Há uma ampla variedade de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e, no entanto, diz muito pouco sobre a proteção da cultura. É lógico, tem uma eficiência muito maior. A Covid da Caixa, que serve para este fim. Toda a unidade hospitalar que se pode ter, por exemplo, em um quarto com pressão negativa. O dispositivo se equilibra com a propagação da doença”, disse o cirurgião de seu pescoço, e a cabeça de Carlos studart.

A mobilidade de

O dispositivo foi utilizado durante uma cirurgia em um paciente com uma infecção bacteriana, eu tenho uma traqueostomia depois de várias semanas de distribuição.

Os médicos que realizaram os cortes nas laterais de plástico elástico da estrutura de aço. As luvas, e com todo o instrumental tratada com cloro, que fizeram a intervenção da normalidade.

O Covid da caixa dá-lhe a mesma, a mobilidade dos profissionais nas intervenções cirúrgicas, assegura-se de que o médico otorrinolaringologista André Alencar Araripe Nunes, Chefe da Unidade de Cabeça e Pescoço do HUWC.

“As partículas de um gás ou de gotas que foi removido do ar, no momento de realizar, como, por exemplo, para cortar a garganta de um paciente. A Covid da Caixa, em lugar desse material, que se estendeu dentro da sala de cirurgia, que se encontra retido no material. Você pode ver como as gotas geradas pelo paciente”.

A cirurgia de Wellington Alves, já que o computador vem com o dispositivo e não em outros procedimentos cirúrgicos de geradores de aerossóis que se encontram em suspensão no ar e sobre as superfícies.

“Recentemente, fizemos um glossectomia parcial (remoção cirúrgica de uma parte da língua em função de um câncer agressivo) e a ressecção do osso temporal e o tipo de cirurgia de base de crânio, com a criação de protótipos, e que não haja prejuízo para a técnica, como conseqüência de seu uso”, disse o especialista no assunto.

Foto: Divulgação/HUWC

Com informações da DiárioDoNordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *