O neto se aproveita de isolamento para alfabetizar a avó de 85: o sonho, Só Boas Notícias

Ricardo e Alcina - Foto: arquivo pessoalRicardo Ruggiero – Foto: arquivo pessoal

Neto brasileiro, que está desfrutando o seu tempo livre, como são o isolamento social e a alfabetizar e a realizar o sonho de sua avó, de 85 anos de idade.

Dona Alcina Bispo, eu sempre quis aprender a ler e a escrever, mas que vivia nos campos, longe de seu neto, Ricardo Pereira, de 31 anos de idade, que é professor-pesquisador da língua espanhola.

Pouco antes da aparição de uma pandemia, Ruggiero foi viver para a casa de Ricardo, em Bilbau, para realizar o tratamento médico e a oportunidade perfeita para ensinar à minha avó.

“Alfabetizar a minha avó que já não era um sonho de toda a vida, tanto para mim como para ela. Infelizmente, não foi possível antes, no entanto, a quarentena, tive a oportunidade de colocar este projeto em prática. Eu acho que é uma forma de devolver algo de tudo o que me ensinou”, disse Ricardo ao G1.

A idéia de

As aulas se iniciaram em novembro, depois que o mestre viu um menino sem usar dentro de casa.

Foi então que Ricardo, ocorreu-lhe a idéia de ensinar a dona Alcina. O resultado veio à direita.

Em pouco mais de uma semana de aula todos os dias, da avó, já que é facilmente reconhecível por outros, e fazendo das associações das letras.

“Ela teve problemas nos primeiros dias, mas que tem se saído muito bem”, disse o professor.

Órfã

Alcina, ficou órfã aos 9 anos de idade, e que se tinha casado antes, com a idade de 15 anos.

Teve 15 filhos, dos que se dedicou à sua família, e que não teve a oportunidade de estudar, é o sonho de toda a vida.

“Tenho muita vontade de fazer uma com o meu nome, mas nunca tive a oportunidade. Cada momento é o momento. Estou viva, e que Deus vai me ajudar e que tudo vai sair bem”, disse.

Ela aproveitou a oportunidade e se estudam todos os dias. Depois da lição que segue treinando.

“Depois que ela fica com as letras de a versão impressa. Cada vez que vamos a confissão. Às vezes, eu chego na sala e se está estudando”, disse Ricardo.

A gratidão

O professor diz que o ensino da avó, que é uma forma de expressar nossa gratidão por tudo que tem feito ao longo da vida.

E o que escreveu a carta de agradecimento:

“Ela me ensinou muito do que sei me ensinou, o que significa que se aceita, no mesmo dia em que a mãe, solteira, que chegou à nossa casa, e eu em seus braços.

Ela me ensinou que no plantio e a colheita são os verbos mais recorrentes na vida, e que o mais importante não é a planta, mas da forma em que se planta.

Ela foi quem me ensinou a ler, com o tempo, e com a ajuda dos pássaros, que me ensinou a distinguir o queijo, queijo, abacaxi e ananás, e a de Maria a Isabel, que é a melhor comida do mundo. Ou é o picadinho de banana? Talvez, o Mucunzá” com uma abóbora madura, pimenta?

Ela me disse que o leite da manga faz mal. (Isso me dei conta que eu tinha na vida era uma mentira! Pelo menos para nós, já que, apesar de que os experimentos científicos com ela, mas juro que é verdade. “Fulana morreu isso!”).

Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *