Os gêmeos separados ao nascer se reencontram depois de 23 anos de idade: a fotografia, Só Boas Notícias

Foto: reproduçãoFoto: reprodução

Separado no momento do nascimento dos gêmeos idênticos e Arão, e Gabriel, que se voltaram a encontrar, através das redes sociais, neste mês, no mesmo dia em que se tenham cumprido os 23 anos de idade, e descobriram que, mesmo sem se conhecerem, os dois irmãos que têm uma paixão em comum: a fotografia.

Eles nasceram no estado do Ceará, e muito pouco tempo depois, a mãe da Liduína, deu às crianças para adoção, o Padre pedro de Andrade.

Nos últimos 23 anos de idade, com mais de 2.600 quilômetros distanciaram-se de Arão, estado do Maranhão, que estava na Fortaleza, e de seu irmão, Gabriel Fernández, que foi para o Brasil, Minas Gerais, brasil.

Com o passar dos anos, os irmãos, os adoptados souberam da existência um do outro, mas havia muito pouca informação.

A descoberta ocorreu através do Facebook, no passado dia 1 de junho, uma vez que Arão fez uma busca de uma imagem que tinha recebido de sua mãe biológica, Liduína, com o nome da mãe adotiva de seu Trabalho. Era o único vestígio de que ele tinha de seu irmão.

Em menos de 30 minutos de carro, Arão foi detectada no perfil de Maria, o nome da cidade.

A mãe biológica de

Arão conheceu Liduina, quando tinha 16 anos de idade, na cidade de Fortaleza, onde continua a viver, já que foi aprovado pelo Socorro, estado do Maranhão.

“Nós Nos reunimos em minha casa. Foi muito forte para mim. É a primeira vez que tinha visto alguém tão parecido comigo. Ganhei dela, os dois encontram-se em: o nome de usuário e a foto da festa de aniversário de um ano, meu irmão, que ela recebeu da pessoa que a realizou.

Ela tem sido muito importante, neste sentido, por me dar o nome e o rosto daqueles que estavam com ele”, disse o irmão, que hoje é jornalista e trabalha como assessor da coordenação-geral de Museu de Fotografia da cidade de Fortaleza.

A mesma angústia, com os rumores de que seu irmão, que morreu com a idade de 12 anos, e seu irmão não se deu por vencido na busca de informações.

“Esta informação tem sido para mim é muito significativo. Cada vez que pensava nele, sentia que sua vida em minhas mãos”, disse.

O Encontro

Quando viu a foto de seu irmão, pela primeira vez, e a Arão, que se emocionou.

Entrei em pânico. Não acreditava o que estava acontecendo, e o que era tão parecido com ele. E ele a mim”, disse o irmão.

Para entrar em contato com a família adotiva de seu irmão, se contou com o apoio da guarda civil, Nivia, que falou com Ricardo, antes que ele.

Gabriel estava no trabalho quando recebeu a notícia, não sabia que a relação com a sua mãe, chorando, mudaria completamente sua vida.

“Para mim, foi um grande susto, eu tive que sentar e deixar de raciocinar o que estava acontecendo. Minha cabeça estava a um milhão de pessoas, e eu não podia acreditar no que viam. Entrei em contato com ele através do Facebook, e nos dirigimos ao aplicativo”, disse.

O primeiro cara a cara, os gêmeos, é o tempo do trabalho e do Emprego.

Arão, lhe diz que a reunião foi lindo, a cada um dos contatos de seu irmão.

Por que os gêmeos, que passam muitas horas da noite, no bate-papo, quase todos os dias para que se renovem, de tudo o que o tempo e a distância que foi roubado deles.

A sua paixão pela fotografia

Entre as imagens, em especial, em que marcou profundamente: a paixão por fazer a foto.

“Minha surpresa foi maior quando vi a foto dele vestido com um terno e social da câmera pendurada no pescoço. Não podia acreditar, e me choco, até o dia de hoje. É aí que realmente eu vi que a foto não era a única na minha vida”, disse Arão sobre a imagem que se encontra no facebook de seu irmão.

A linguagem fotográfica é uma via de escape de uma temporada complicada na vida de Gabriel, de onde surgiram várias perguntas sobre sua vida, além de que alguns dos problemas financeiros da empresa.

Neste período de tempo, tem vindo a desenvolver uma marca pessoal para trabalhar em eventos, banquetes, casamentos, fotografia de casal.

Hoje em dia, a fotografia é um hobby para ele.

Foto: reproduçãoFoto: reprodução

Olha no post de Arão, e o de Gabriel:

Os irmãos ainda separados na época de escola Foto: Arquivo PessoalOs irmãos separados, que na época da escola de Fotografia: Arquivo Pessoal

Com informações de href=”https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/dias-melhores/separados-no-nascimento-gemeos-se-conhecem-apos-23-anos-e-descobrem-amor-em-comum-pela-fotografia-1.2959064?fbclid=IwAR0a_7GSDHC3ak_jzKx5OoYHZcEYPDoBz52a-V4l_P2kbyZjKw7xwpgiOQU”>o país-o salvador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *