Os pesquisadores da universidade de são paulo, que criam um sistema de desinfecção dos ambientes fechados, Só Boas Notícias

Equipamento de desinfecção de ambientes fechados foi desenvolvido pelo Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP Foto: Jornal da USPOs equipamentos de desinfecção dos interiores foi desenvolvido pelo Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da universidade da Foto: Jornal da universidade de são paulo

Os pesquisadores da universidade de San Carlos, no estado de são paulo, desenvolveram um sistema de desinfecção dos interiores.

O novo sistema desenvolvido por pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física que utiliza a tecnologia da plataforma UVC da lifesize, e o gradiente de pressão em que se eliminam as partículas patogénicas do ar em locais de alta circulação de pessoas.

Permite-Se a sedimentação e a mais rápida das partículas em suspensão que são retirados da terra, antes de chegar à zona de respiração dos outros.

A desinfecção higiénica é ideal para uma variedade de locais, em salas de espera, escolas, clínicas, consultórios, entre outros espaços, a circulação constante de pessoas.

No IFSC, algumas das salas de aula, já que estão equipados com o sistema para reduzir os riscos de contaminação dos estudantes, funcionários e professores durante as atividades didáticas.

Os pesquisadores do projeto, coordenado pelo professor Vanderlei Bagnato, explica que, além das máscaras e da limpeza das cortinas e das superfícies de contato, é necessário que a atenção no ar que se respira.

“A tosse, os espirros e o discurso dos indivíduos infectados, e no interior são as possíveis vias de infecção dos vírus e das bactérias.” As Partículas e os aerossois, podem permanecer no ar durante várias horas.

Mesmo, mediante o uso de máscaras, uma parte das partículas truque para o meio ambiente.

As máscaras são reduzidos em grande medida os fatores de contaminação, mas não se perde por completo, afirmam.

O Sistema de

No computador, cria-se uma corrente de ar quase laminar, perto do chão, o que arrasta as partículas em suspensão, tendo em passar pelo sistema de desinfecção UVC.

Em seguida, o ar se torna o meio ambiente e desinfetar. Alguns dos experimentos realizados mostram que, durante a passagem pela luz intensa, 99,99% dos micro-organismos que foram excluídos.

A grande vantagem deste sistema é que tudo o que se repete é o processo de recuperação, já que a pressão de cima para baixo, a assistência e a deposita no chão, representa um risco menor para as pessoas.

Com informações da revista da universidade de são paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *