Portugal fecha um acordo, e que você poderá ter a vacina da universidade de Oxford, em dezembro de Covid, Só Boas Notícias

Foto: CDC/UnsplashFoto: CDC/Unsplash

No Brasil, que fechou um acordo para o desenvolvimento e a produção até a administração da vacina contra a Covid-19 e que foi desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e da farmacêutica AstraZeneca.

O anúncio da nova aliança, de fato, neste sábado, de 27 anos, por parte do Ministério da Saúde, estabelece que a produção de 100 milhões de doses em três porções, a eficácia da vacinação com a vacina se mostra as provas de que ainda se estão levando a cabo.

Desse total, mais de 15 milhões de doses, que serão distribuídas no Brasil, em dezembro deste ano, e mais de 15 milhões de dólares no mês de janeiro do ano que vem.

Após estas duas primeiras entregas, com mais de 70 milhões de doses que pode ser produzidopara distribuição pelo sistema único de saúde, Sistema Único de Saúde.

Na fase inicial dos riscos assumidos, se 30,4 milhões de doses da vacina, por um valor total de Us$ 127 bilhões de dólares, incluindo os custos associados à transferência de tecnologia e dos processos de produção da Fiocruz, que se estimam em Us$ 30 milhões de dólares. Nos dois lotes, para ser postos à disposição da Fiocruz, de 15,2 milhões de doses de cada um, que devem ser entregues em dezembro de 2020, e em janeiro de 2021″, diz a nota de imprensa do Ministério da Saúde.

As Prioridades de

A prioridade na distribuição das primeiras vacinas, que o será para todo o grupo de maior risco, como os idosos e as pessoas com comorbidades profissionais da saúde e os trabalhadores da segurança pública.

No Brasil, em que a tecnologia se desenvolve na Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz que se prepara para fazer a vacina, que é distribuído no país, graças à tecnologia estrangeira.

Em uma coletiva de imprensa em Brasília, brasil, no cargo de secretário-executivo do Ministério de Saúde pública, Élcio de Franco, também teve um grande sucesso, que é necessário assumir o risco de o que é a evidência da eficácia dos medicamentos.

“O risco que se corre é necessário, devido à urgência da busca de uma solução eficaz às necessidades da saúde pública. Nós acreditamos que é um grande avanço para a tecnologia e nacional, bem como uma mostra de que os esforços do governo e da busca de soluções para a população brasileira.

O secretário de Vigilância em Saúde, Francisco de Morais, destacou que a vacina só é distribuído para a população de que se tenha comprovado que funciona, e que funciona corretamente.

“A administração da vacina, já que se encontra em fase 3, na fase clínica. No Brasil, é a representação do conjunto de países que estão colocando à prova a administração da vacina. O mundo tem uma oportunidade em que produzimos e as autoridades da oferta desta associação, e a pedido da tecnologia. É evidente que a saída da população, será feita com observância dos critérios farmacológicos e clínicos de segurança da população”, disse.

Os seguintes passos

O acordo, que consiste de dois passos.

A primeira, consiste na ordem das garrafas após a inoculação, e, além disso, que o país assuma os custos da investigação. No Brasil compromete-se a pagar através da tecnologia, das que ainda não foram concluídos os estudos definitivos.

Em uma segunda fase, no caso da administração da vacina, mostra-se eficaz e segura, que se ampliou com a compra.

O Ministério da Saúde, estima-se que a compra de mais de 70 milhões de doses, com valor estimado de US$ 2,30 (cerca de r$12,60) por dose da vacina não foi aprovado e a licença da mesma.

“Em um primeiro momento, a API (um ingrediente farmacêutico ativo que vem logo (ao ar livre)… que vai ser processada e distribuída para a população brasileira”, disse o ministro da Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Laura Angotti de seus filhos.

Mais cedo

Na tarde de sexta-feira (26), o cientista Soumya Swaminathan, da Organização Mundial da Saúde, disse que a vacina testada no Brasil, contra a Covid-19 – feito pela Universidade de Oxford e da Não – é a mais alta do mundo e a mais avançada em termos de desenvolvimento.

Aqui, no país, os ensaios da vacina contra ChAdOx1 nCoV-19, anunciou no início deste mês, e que vão contar, de acordo com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com mais de 2 mil voluntários, em São Paulo, e em 1 bilhão de Rio de Janeiro, brasil, onde serão realizados pela cadeia De ouro.

Com informações da agência brasil e G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *